Rio de Janeiro tem o primeiro caso de transmissão local de coronavírus

Foi confirmado na manhã de hoje, quinta-feira, 12 de março, o primeiro caso de transmissão local do novo coronavírus. O caso foi foi confirmado pela secretaria de saúde do estado do Rio de Janeiro. De acordo com nota emitida pela pasta, o paciente é um homem de 72 anos, que vive na capital fluminense. A esposa do paciente também a testou resultado positivo para a doença, a senhora de 68 anos, assim como o esposo, estão em isolamento domiciliar e apresentam estado de saúde estável.

Com a confirmação dos dois casos, o Rio de Janeiro atesta 15 casos em decorrência do vírus,13 só na capital e outros dois casos que foram confirmados computa registro nas cidades de Niterói e Barra Mansa.

Coronavírus, transmissão, doença,
Coronavírus – primeiro caso de transmissão local no RJ

De acordo com o secretário de saúde do estado, Edmar Santos,”este é o primeiro caso no estado de paciente que não esteve em países com transmissão comunitária. Como já havia alertado, estávamos esperando que isso acontecesse em breve. No entanto, ressalto que não há motivo para pânico”.

O governo do Rio de Janeiro, após a confirmação do primeiro caso de transmissão local, anunciou a elevação para o 1º nível , quanto ao ao plano de contingência contra o coronavírus, antes a situação encontrava-se em nível zero.

A ação adotada possibilita a disponibilidade de mais de 200 leitos exclusivos para tratamento de casos graves de pessoas infectadas em hospitais do estado, incluindo unidades municipais e federais, além da rede estadual.

Níveis do plano de contingência

  • Nível Zero – Casos importados notificados ou confirmados
  • Nível 1 – Transmissão local de coronavírus no estado do Rio de Janeiro
  • Nível 2 – Transmissão comunitária, que ativará outros leitos para assistência de casos graves
  • Nível 3 – Quando as ações e atividades orientadas para serem realizadas no nível 2 de ativação forem insuficientes como medidas de controle e para a organização da rede de atenção na resposta. Caso o surto chegue a esse nível, além de todas as unidades citadas anteriormente, será criado pela Secretaria de Estado de Saúde um hospital de campanha e as Forças Armadas serão acionadas. Haverá ainda a utilização de leitos em unidades especializadas, com a suspensão de cirurgias eletivas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima